Durante a certame CeBIT em Hanover no mês de Março 2014, uma equipa de investigadores do Departamento de Engenharia Eléctrica e Electrónica da Universidade de Bristol, liderados pelo seu professor de Engenharia de Radiofrequência Dr. Kevin Morris, apresentou um novo desenho de circuito de amplificação RF que possui uma eficiência operacional de 50%, comparativamente aos 30% que são típicos nos actuais amplificadores das estações de redes celulares.
 
A melhoria, de acordo com a equipa de investigadores, resulta de “sofisticados novos algoritmos de computação especialmente desenvolvidos para incorporação no sistema de gestão electrónico integrado, assim como numa série de ajustes no hardware do amplificador”. De acordo com o Dr. Morris, “este novo desenho de amplificador representa uma importante evolução em termos de eficiência energética que poderá ter um contributo importante nos objectivos de redução de carbono previstos no Reino Unido. Tradicionalmente, desenhar amplificadores de sinal para estações base tem sido um processo longo que envolve uma abordagem complexa de tentativa e erro que normalmente dá origem a soluções que não são implementáveis. Isto originou alguma relutância em trabalhar nesta área. Para ultrapassar esta barreira, definimos como prioridade que o nosso projecto fosse facilmente replicável”.
 
Esta investigação, financiada pelo Engineering and Physical Sciences Research Council (EPSRC) britânico e onde trabalharam equipas das Universidades de Bristol e Cardiff, resultou assim num novo circuito de amplificação para antenas de redes celulares que é capaz de reduzir o consumo em 200MW, o que equivale a uma significativa redução de emissões de carbono por ano.
 
Para se ter uma ideia, uma estação base de redes celulares com um emissor de 40 watts consome mais de 130W para amplificar os sinais de radiofrequência que são captados pelos terminais móveis dos consumidores. O novo circuito permite trabalhar com a mesma eficiência com um consumo de apenas 80W.
 
Se uma rede com 10.000 estações base for equipada com este novo amplificador, equivale a poupar metade da electricidade gerada anualmente por uma barragem média.
 
A equipa de desenvolvimento está já a trabalhar com uma empresa no sentido da comercialização do projecto, tendo assegurado já financiamento adicional.
 
O projecto “Holistic Design of Power Amplifiers for Future Wireless Systems” teve uma duração de 5,5 anos e custou até aqui cerca de 2,2 milhões de euros.
 
  > Visitar o website da Universidade de Bristol