A Intel revelou recentemente que a sua nova microarquitectura de processadores, utilizando processos de fabrico de 14 nanómetros irá surgir comercialmente no mercado ainda em 2014, potenciando assim novos computadores e dispositivos portáteis ainda mais leves e finos, sem necessidade de ventiladores de arrefecimento.
Os novos processadores Broadwell fazem parte do mapa de evolução que a Intel tinha revelado ainda em 2013, mas não estava ainda confirmada se a produção industrial destes chips de 14 nanómetros permitiria a sua chegada ao mercado ainda este ano.

Agora, ficámos a saber que os novos processadores vão efectivamente potenciar uma nova geração de dispositivos ainda mais eficientes em termos energéticos do que a actual geração Haswell, sendo que o primeiro processador fabricado com o processo de 14 nanómetros será o Core M, prometido pela Intel em novos produtos a apresentar ao mercado já em Setembro 2014. De acordo com o comunicado que a Intel emitiu, os primeiros produtos Intel Broadwell deverão estar disponíveis a tempo das compras de Natal 2014. No universo da Apple, especula-se já que os processadores Core M irão estar presentes nos novos MacBook Air a lançar ainda este ano.

Entre as vantagens que a Intel destaca para os novos chips de 14nm está naturalmente o facto de estes conterem ainda mais transístores e usarem a segunda geração Tri-gate (FinFET), resultando numa melhoria na velocidade de processamento em função do seu consumo. Na verdade, os processadores Core M que são apenas os primeiros desta geração, deverão duplicar o desempenho por watt da geração Haswell de 22 nanómetros.

A Intel classifica o modelo integrado desta microarquitectura como uma inovação técnica que irá dar início a uma nova era de dispositivos, sistemas e experiências, com equipamentos mais eficientes, mais leves e mais finos. Os processadores Intel Core M, por exemplo têm um encapsulamento que é duas vezes mais compacto do que a anterior geração e permitem melhorar significativamente a duração da bateria em portáteis, podendo vir igualmente a potencial aplicações de infraestrutura para a Internet of Things.

De acordo com Rani Borkar, vice-presidente e director geral de desenvolvimento da Intel, “esta nova microarquitectura é muito mais do que um feito técnico notável. É uma demonstração da importância da nossa filosofia de desenvolvimento ‘de fora para dentro’, permitindo ir ao encontro das necessidades do mercado”.
 
  > Saber mais sobre a gama de processadores Intel